Notícias

Notícias

Alegria brasileira contagia Vila Parapan-Americana durante hasteamento da bandeira brasileira em Lima

publicado: 22/08/2019 22h02, última modificação: 02/12/2019 18h47

Os Jogos Parapan-Americanos de Lima começaram oficialmente para os atletas brasileiros. O Hino Nacional tocou pela primeira vez na Vila Parapan-Americana na capital peruana. Os atletas participaram, nesta quinta-feira (22.08), da cerimônia oficial de boas-vindas, com o hasteamento da bandeira brasileira na principal competição paralímpica das Américas, oportunidade em que o jogador de goalball Leomon Moreno foi anunciado como o porta-bandeira da delegação brasileira cerimônia de abertura dos Jogos, nesta sexta-feira (23,08). A cerimônia de hastamento contou com a presença do secretário Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Décio Brasil.

Delegação brasileira na cerimônia de hasteamento da bandeira. Foto: Francisco Medeiros/Rededoesporte.gov.br


Na área internacional da vila, cerca de 200 atletas brasileiros fizeram festa e assistiram a uma apresentação artística com dança e música tradicional que resgatou a história dos povos peruanos. Ao lado dos brasileiros, também foram realizadas as cerimônias de hasteamento da bandeira das delegações dos Estados Unidos e da Guiana.

Segundo o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado, os Jogos começaram oficialmente para os brasileiros. "É o momento em que a gente oficialmente inicia a trajetória para essa competição, que para nós é muito importante. Essa cerimônia é sempre um momento que nos emociona muito", ressaltou.

Para o secretário Décio Brasil, que representou o governo brasileiro na cerimônia de hasteamento e em seguida visitou as instalações da Vila, a delegação nacional tem mais uma oportunidade para mostrar a força do esporte paralímpico nacional. "As nossas expectativas são muito positivas. Espero que, como aconteceu no Pan, o Brasil possa surpreender a todos com o resultado que vamos alcançar. Tenho a certeza de que a delegação brasileira está muito bem preparada. São 315 atletas que estarão disputando medalha. A secretaria de Esporte não poderia estar fora disso e por isso fiz questão de vir acompanhar os atletas brasileiros, porque tenho um carinho especial pelos atletas", disse.

Secretário Décio Brasil durante visita à Vila dos atletas em Lima. Fotos: Paulo Rossi/Rededoesporte.gov.br


Depois de ouvir o Hino Nacional brasileiro pela primeira vez nos Jogos Parapan-Americanos, os atletas que compareceram à cerimônia ressaltaram a importância do evento continental. "Mais uma cerimônia da bandeira de muitas que ainda virão na minha carreira. No meu primeiro Parapan, em Toronto 2015, eu não estava tão nervosa como neste. Parece que esse é o meu primeiro Parapan. Porque está sendo um ciclo muito difícil para mim, várias cirurgias, com as duas últimas em 2017 e 2018, quando eu fiquei parada, tomando remédios, engordei muito e nem pensava em voltar a correr. Todo dia é um passo de cada vez e estou aqui com os meus amigos da delegação brasileira para fazer história mais uma vez", disse a velocista Verônica Hipólito.

Para o nadador Phelipe Rodrigues, os Jogos Parapan são fundamentais para fomentar o esporte paralímpico. "Esse é o meu terceiro Parapan. Vai ser um Parapan diferente, no qual vou nadar oito provas. Antigamente, eu nadava apenas quatro ou cinco. Então, estou bem ansioso para nadar e representar bem o Brasil nos Jogos. A gente está bem empolgado e tenho certeza de que vou subir ao pódio em todas as oito provas para ajudar o país no quadro de medalhas", afirmou.

O Parapan de Lima, que será disputado entre os dias 23 de agosto e 1 de setembro, é o maior da história, com presença de 1.890 atletas, de 33 países, em 17 modalidades. "O desafio é grande para o Brasil, pois temos a missão de manter a liderança esportiva continental. Outra inspiração é que vivemos um momento de transição, em que temos o foco voltado para a renovação. Atualmente, temos uma escola de esportes com 600 crianças treinando semanalmente no CT e pretendemos implantar 12 centros de referência pelo Brasil até o final do ano. Estamos trabalhando para ter uma renovação sustentável para o esporte paralímpico", explicou Mizael.

Anúncio do porta-bandeira
Nesta quinta-feira (22.08), o jogador de goalball Leomon Moreno foi anunciado como porta-bandeira do país na Cerimônia de Abertura dos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019. A festa de abertura, que marca o início da competição, será a partir das 21h (de Brasília), no Estádio Nacional do Peru.

Leomon Moreno, que completou 26 anos nesta quarta-feira (21.08), é considerado o melhor jogador de goalball do mundo. Faturou a medalha de ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Toronto 2015 e liderou a Seleção Brasileira ao bronze nos Jogos Paralímpicos do Rio 2016 e à prata nos Jogos de Londres 2012. Somam-se ao seu currículo dois títulos mundiais da modalidade: na Finlândia, em 2014, e na Suécia, em 2018.

O Presidente do CPB Mizael Conrado anuncia o jogador de goalball Leomon Moreno como porta-bandeira na cerimonia de abertura dos jogos. Foto: Ale Cabral/CPB


Para o jogador, o convite foi uma surpresa. "É uma responsabilidade muito grande representar 337 atletas (incluindo os atletas-guias, calheiros e outros, sem deficiência) e, para o goalball, também é muito importante. Para a gente, que vem de um crescimento grande no mundo e somos a modalidade que mais cresce, nada é melhor do que ser o porta-bandeira da melhor nação do mundo, que é o Brasil", comemorou Leomon.

A porta-bandeira dos últimos Jogos Parapan-Americanos, em Toronto, no Canadá, foi a multimedalhista paralímpica do atletismo Terezinha Guilhermina. Igualmente medalhado, o nadador Andre Brasil foi o escolhido nos Jogos de Guadalajara 2011, no México.

Brasil em Lima
A delegação brasileira em Lima conta com 315 atletas, dos quais 261 (82,8%) são contemplados pelo programa Bolsa Atleta da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. Das 17 modalidades com participação brasileira, 16 contam com bolsistas. Apenas o Futebol de 7, que saiu do programa de provas dos Jogos Paralímpicos, não conta com bolsistas. O investimento nos atletas soma R$ 18,1 milhões ao ano. São 60 esportistas na categoria nacional, 42 na internacional, 57 na paralímpica e 101 Pódio.

Breno Barros e Mateus Baeta, de Lima, Peru - Ascom - Ministério da Cidadania