Notícias

Política esportiva

CNA realiza primeira reunião de 2020 e elege Mosiah Rodrigues como novo presidente

publicado: 08/05/2020 17h37, última modificação: 08/05/2020 17h37
Ex-jogadora de vôlei Virna será a vice-presidente e a ex-nadadora Flávia Delaroli, a secretária da Comissão Nacional de Atletas. Reunião foi virtual em função da pandemia da COVID-19

A Comissão Nacional de Atletas (CNA) realizou, na manhã desta sexta-feira (08.05), a primeira reunião de 2020. Devido à pandemia da COVID-19, o encontro foi realizado de forma virtual pela primeira vez e contou com a participação, além dos membros da comissão, do Secretário Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marcelo Magalhães, e do secretário adjunto da pasta, André Alves. 

 

A reunião foi marcada pela eleição de Mosiah Rodrigues como novo presidente da CNA. Ele sucede Hortência, última presidente do conselho. “Foi uma honra não só por ter sido indicado para essa posição, mas por ter tido o apoio de todos os membros na reunião de hoje”, afirmou Mosiah, que acumulará a função de presidente do CNA com a de coordenador-geral do Programa Bolsa Atleta da Secretaria Especial do Esporte, função que ocupa desde 2014. 

 

mosiah-rodrigues-foto-francisco-medeiros-ministerio-Cidadania.jpg
Foto: Francisco Medeiros/Min. Cidadania

 

“O primeiro presidente da CNA foi ninguém menos do que Adhemar Ferreira da Silva (atleta do salto triplo, primeiro bicampeão olímpico do Brasil e falecido em 2001). Os três últimos foram, nessa ordem, Lars Grael, Zico e Hortência. Estar junto dessas personalidades é uma honra e, naturalmente, um desafio”, disse Mosiah, dono de um ouro, duas pratas e dois bronzes em Jogos Pan-Americanos entre 2003 e 2007 e representante do Brasil nos Jogos Olímpicos de Atenas, em 2004, na Grécia, na ginástica artística.

 

Além do presidente, a ex-jogadora de vôlei Virna foi eleita a vice-presidente e a ex-nadadora Flávia Delaroli foi escolhida a secretária da CNA. A próxima reunião da CNA deve ser realizada em agosto, em data a ser definida. “A missão e os valores da CNA são muito importantes. Nesse momento em que vivemos, temos que nos reinventar. É lógico que a prioridade agora é a saúde de todos, mas quando isso passar tenho certeza de que a CNA vai poder contribuir bastante para o fortalecimento e o desenvolvimento do esporte brasileiro”, afirmou Virna, medalhista de bronze com a Seleção Brasileira de vôlei feminino nos Jogos Olímpicos de Atlanta (1996) e Sydney (2000). 

 

Diálogo, fórum e paradesporto 

 

Em sua fala de boas-vindas aos membros da CNA, Marcelo Magalhães ressaltou que as portas da Secretaria estão sempre abertas para todos da comissão. Ele lembrou que a Secretaria do Paradesporto deverá ser oficializada em breve dentro da estrutura da Secretaria Especial e adiantou que está em processo de criação um fórum para que empresários, membros da CNA, atletas e integrantes da secretaria possam debater os rumos do esporte no país. 

 

“Nós precisamos ter sempre essa comunicação aberta e estreitar esse relacionamento com a CNA e com os atletas para que possamos ouvir todos os lados e, conjuntamente, encontrar as soluções para desenvolver o esporte brasileiro”, ressaltou Marcelo Magalhães. 

 

Antes de discutirem as pautas, os integrantes da CNA ouviram do medalhista olímpico da vela Lars Grael um resgate da história da CNA e de como a comissão contribuiu de forma importante para avanços do esporte brasileiro, como o Programa Bolsa Atleta e a Lei de Incentivo ao Esporte. 

 

Além da escolha da diretoria e dos debates em torno do novo regimento, os integrantes discutiram pontos como o desenvolvimento de uma interface produtiva entre a CNA e outras comissões esportivas e órgãos de representação de atletas, inclusive com um uso mais efetivo do Instagram. O objetivo é que as outras partes possam não só conhecer mais profundamente o que é debatido dentro da CNA, mas também participar com sugestões. 

 

Lars Grael também sugeriu que, mesmo em meio à pandemia, a CNA possa realizar reuniões virtuais com os ex-atletas que hoje têm mandatos na Câmara e no Senado, como os deputados Luiz Lima (PSL-RJ) e Danrlei (PSD-RS) e os senadores Leila Barros (PSB-DF) e Romário (Podemos-RJ), de modo que a CNA possa se inteirar mais profundamente sobre como o esporte é debatido nessas casas e quais os projetos hoje em discussão. 

 

Lars também sugeriu que videoconferências sejam realizadas com os ex-presidentes da CNA Hortência e Zico, para que eles possam contar um pouco de suas experiências à frente da entidade. O medalhista olímpico ainda levantou a possibilidade de reuniões virtuais com os ex-atletas que hoje atuam na Secretaria Especial do Esporte: o campeão olímpico Emanuel, que está à frente da Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR); a nadadora olímpica Fabíola Molina, que comanda a Secretaria Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (SNELIS); e Luisa Parente, secretária da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD). 

 

“Somos representantes dos atletas”, destacou Lars Grael. “Temos que integrar. A CNA é a integração entre Ministério da Cidadania com as comissões de atletas das entidades olímpicas e paralímpicas", continuou. “A partir daqui a CNA começa uma nova fase, olhando para o esporte nacional de maneira mais estratégica e sempre aberta para contribuir para o avanço do esporte brasileiro”, frisou Mosiah. 

 

A CNA 

 

A Comissão Nacional de Atletas (CNA) é resultado de uma antiga reivindicação da classe. Durante os Jogos Olímpicos de Barcelona, na Espanha, em 1992, esportistas como Aurélio Miguel, Luiz Felipe Azevedo, Oscar Schmidt, Lars Grael e Torben Grael já levantavam, em conversas informais, a ideia de conquistar uma maior participação na política esportiva nacional. Desde então, os atletas vinham tentando encontrar uma forma de estabelecer uma relação mais próxima com o governo. 

 

» Conheça os indicados para a CNA para o biênio 2020-2022, de acordo com a portaria nº 1, de 6 de dezembro de 2019 

 

A proposta de gestão participativa coincidiu com o anseio dos atletas, viabilizando a criação da comissão, pela Portaria n° 127, de 17 de Outubro de 2000, para representar os interesses da classe junto ao governo federal. 

 

Depois de nove anos de inatividade, a Comissão Nacional de Atletas foi reativada no dia 29 de abril de 2015 e, desde então, tem sido atuante no debate esportivo nacional. 

 

Atualmente, por meio do Decreto nº 10.056, de 14 de outubro de 2019, foi instituída à Comissão Nacional de Atletas no âmbito do Ministério da Cidadania, enquanto órgão colegiado de assessoramento para construção da Política Nacional de Esporte. 

 

Luiz Roberto Magalhães 
Ascom - Ministério da Cidadania