Notícias

Notícias

Com apelo pela paz mundial, Jogos Mundiais Militares são oficialmente abertos em Wuhan

publicado: 18/10/2019 15h40, última modificação: 02/12/2019 18h47

Foto: Pedro Ramos/Ministério da Cidadania

As mais diferentes nações estavam representadas por atletas e suas delegações na cerimônia de abertura da 7ª edição dos Jogos Mundiais Militares, em Wuhan, na China. A competição, que neste ano traz como tema a paz mundial em diferentes contextos, foi realizada nesta sexta-feira (18.10), no Wuhan Sports Center, e contou com a presença do presidente da China, Xi Jinping, do presidente do Conselho Internacional do Esporte Militar, coronel Herve Piccirillo, do secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Décio Brasil, do presidente da Comissão Desportiva Militar brasileira, general Jorge Smicelato, e demais autoridades militares.

Os 352 atletas que compõem a delegação brasileira em Wuhan foram representados pelo porta-bandeira Fernando Ottoni, paratleta que compete pelo atletismo, acompanhado da campeã mundial de maratona aquática Ana Marcela Cunha. Os brasileiros disputam 29 das 32 modalidades da competição até o próximo dia 27, data do encerramento dos Jogos.


Atletas do Exército, da Marinha e da Aeronáutica dos 110 países entraram em campo com as diferentes bandeiras de suas nações, mas, com algo em comum: a bandeira da paz mundial. Apresentações artísticas, performances, músicas e um jogo de palco capaz de misturar o mundo real com o projetado paralisaram o público por quase duas horas. A pomba branca, símbolo da paz, esteve presente em vários momentos do evento, assim como o lema: "compartilhe a amizade e promova a paz."

GM0A2029

GM0A2029

Com imagens projetadas durante toda a cerimônia, um cenário real se formou. Com rios, montanhas, areia e até uma lua cheia, o público imergiu na história da China, viu a formação de Wuhan, flutuou pelo planeta Terra e vibrou com as crianças em um mundo novo, com verdes, água e inocência.

O apelo pela paz mundial foi constante, trazendo elementos da filosofia chinesa, como o Tai-Chi (arte marcial de origem chinesa), de forma a representar a vontade da nação por um mundo sem guerras.

O espetáculo foi encerrado com a tocha da paz sendo acesa através da água em uma enorme pira, com fogos de artifício e com muita cor no figurino de todos os voluntários, que dançavam e aplaudiam dentro do estádio.

Galeria de fotos (imagens disponíveis em alta resolução; uso editorial gratuito; crédito obrigatório)





Jéssica Barz, de Wuhan, na China - Ministério da Cidadania