Notícias

Notícia

Curso de Avaliação de Riscos para Estádios de Futebol inicia terceira fase, com alunos de 26 estados

publicado: 05/11/2018 00h00, última modificação: 16/01/2020 15h46
curso_coges_goinia_1(1).jpeg

As cidades de Goiânia e Manaus recebem, a partir desta segunda-feira (05.11), a terceira fase do Curso de Avaliação de Riscos para Estádios de Futebol. Dividida em cinco blocos, a capacitação chega à capital goiana com o Bloco 1, para os alunos de Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins e Goiás. Já em Manaus, o Bloco 5 reúne integrantes de Amazonas, Roraima, Maranhão, Rondônia, Acre e Amapá. Num total de 32 horas, as aulas são promovidas das 9h às 18h.

 

A formação é voltada para policiais militares, integrantes da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP), membros de federações de futebol e servidores de secretarias de Ordenamento Público de 26 estados do país.

 

O Curso de Avaliação de Riscos para Estádios de Futebol é uma iniciativa do Ministério do Esporte, capitaneada pela Coordenadoria de Governança, Gestão e Segurança em Eventos Esportivos (COGES) e pela Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor, em parceria com a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN).

 

A iniciativa tem como objetivo criar um protocolo de atuação das forças policiais e demais instituições especializadas em segurança nos estádios, para que atuem de maneira integrada, sistematizada e eficaz no combate à violência nas arenas de futebol. Ela se baseia na utilização de metodologias de avaliação de riscos consagradas por sua aplicação prática bem-sucedida, em especial nos últimos grandes eventos realizados no Brasil.

 

Coordenador-geral da COGES, o coronel Aristeu Leonardo acompanha o curso na sede de Goiânia e destacou o apoio do ministro do Esporte, Leandro Cruz, e de áreas do ministério afeitas à capacitação; a cessão por parte da ABIN de instrutores e da metodologia empregada; o suporte logístico da federação de futebol local, da SENASP, via Ministério da Segurança Pública, e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Aristeu falou também sobre a importância da atuação conjunta nesse processo de avaliação de riscos nos estádios.

 

"É de extrema importância a participação de todos esses órgãos públicos e privados no planejamento das partidas e também na execução. Para tanto, é necessário um planejamento com base na avaliação de riscos e nas mitigações inerentes a esses riscos por parte dos tomadores de decisão", explicou Aristeu.

 

A abertura do bloco de Goiânia contou com as presenças do vice-presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, Milton de Souza Bastos Júnior; do vice-presidente da Federação Goiana de Futebol, Ronei de Freitas, e do diretor-geral da entidade, Leonidio José dos Santos; da superintendente da ABIN de Goiás, Rosa Fernandes; do coordenador de Ensino de Contrainteligência da Escola-ABIN, David Bernardes (instrutor); do oficial de inteligência da ABIN Álvaro Nagal (instrutor); da assessora da GFUT, representando o Ministério Público de Goiás, Mariana Bonfim; e do ex-árbitro da Fifa Teodoro Castro Lino.

 

Outros blocos do curso


Entre os dias 26 e 29 de novembro, serão promovidos outros dois blocos: o 2, em Belo Horizonte, que terá alunos de Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; e o 3, na cidade de Recife, que contará com participantes de Pernambuco, Piauí, Pará, Rio Grande do Norte e Ceará. Essa nova etapa do curso termina com o Bloco 4, previsto para ser ministrado entre os dias 3 e 6 de dezembro, em Salvador, reunindo inscritos dos estados da Bahia, Paraíba, Sergipe, Alagoas e Espírito Santo.

 

A primeira fase do curso ocorreu no mês de março deste ano. A turma inaugural foi composta por oficiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ) e integrantes da Federação de Futebol do estado (FFERJ). Já a segunda etapa aconteceu recentemente (de 8 a 11 de outubro), com a participação de servidores da Secretaria de Ordem Pública do Rio de Janeiro (SEOP) e de integrantes da FFERJ, da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Ministério Público.

 

Marco Senna, do Rio de Janeiro