Notícias

Futebol

Em Curitiba, Congresso de Futebol debate realidade da modalidade no país

publicado: 20/12/2019 17h02, última modificação: 20/12/2019 17h03
Evento reuniu profissionais do esporte entre os dias 10 e 11 de dezembro

Foto: Divulgação

 

A Secretaria Nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania e a Universidade Federal do Paraná (UFPR) promoveram em Curitiba, entre os dias 10 e 11 de dezembro, a primeira edição do Congresso de Futebol (CONFUT). O evento reuniu profissionais de futebol, jornalistas, advogados, psicólogos e acadêmicos de educação física.

O professor Próspero Paoli, coordenador das categorias de bases do C.R. Vasco da Gama (RJ) e instrutor da CONMEBOL, começou o evento ao abordar o tema “Metodologia da Formação: o caminho ao alto rendimento”. O profissional abordou as ações envolvidas na formação dos jogadores das categorias de base até o alto desempenho profissional.


Em seguida, o debate mediado pelo jornalista Guilherme de Paula, da rádio Transamérica FM, contou com a presença do árbitro FIFA Rodolpho Toski Marques, o assistente FIFA Bruno Boschilia (eleito o melhor árbitro assistente do Campeonato Brasileiro 2019) e o advogado Dr. Eduardo Vargas. Eles debateram o papel do VAR (Árbitro Assistente de Vídeo), levantando pontos como a metodologia empregada, aspectos de comunicação entre o campo e a cabine, técnicas de análise e aspectos de ordem legal da tomada de decisão do VAR, tanto no contexto nacional como internacional.

A mesa temática, conduzida pelo professor Marcos Eduardo Walczak, contou com três experientes profissionais do futebol brasileiro para discutir a preparação física. O professor Emerson Buck do Botafogo (SP) discutiu o treinamento de força aplicado aos jogadores, seus aspectos positivos, metodologias, ferramentas (musculação, treinamento funcional) e periodização. O professor Alexandre Lopes da Chapecoense (SC) discutiu a estruturação, fases e passos da preparação física do atleta para se atingir o pico da performance desportiva na categoria principal. Por fim, o professor Walmir Cruz abordou o problema do calendário no planejamento, organização e periodização do treinamento, elucidando pontos cruciais na atuação do preparador físico moderno em situações reais e inevitáveis, como viagens, recuperação e acompanhamento de uma equipe de futebol no Brasil.

O ponto alto do primeiro dia foi a roda de conversa mediada pelo professor Richa Marquezani. Ele debateu os acontecimentos do futebol brasileiro em 2019, como a presença de técnicos internacionais, os títulos nacional e da Libertadores da América conquistados pelo Flamengo (RJ), a Copa do Brasil vencida pelo Athlético (PR), o desempenho da Seleção Brasileira, os destaques individuais e coletivos e as perspectivas para o ano de 2020. Os professores Maurício Copertino (C.R. Vasco da Gama/RJ), Matheus Costa (Paraná Clube) e Silas do Prado Pereira (ESPN) participaram da mesa.

O segundo dia de congresso começou com o debate sobre a Formação, Desenvolvimento Técnico e Responsabilidade Social. A mesa contou com o Dr. Diogo Cristiano Netto (gerente de Responsabilidade Social e Sustentabilidade da CBF), o professor Fernando Yamada (coordenador geral do Centro de Excelência de Formação de Atletas do S.C. Corínthians/SP) e o professor Antonio Eduardo Branco, presidente do CREF9. Mediados pela professora Taís Pastre, coordenadora do curso de Educação Física da Unibrasil, os profissionais discutiram as ações implementadas no âmbito nacional, clubístico e social da prática do futebol, apresentando as estruturas técnicas e organização dos clubes brasileiros, as ações institucionais, a expectativa social e efeitos legais da prática de futebol nas categorias de base.

Na sequência, três profissionais de referência no futebol nacional, professor Paulo Autuori, considerado uma das maiores personalidades do futebol brasileiro, o professor André Mazzuco (CR Vasco da Gama/RJ) e o executivo Caio Pedroso (Athlético/PR) abordaram a Gestão do Futebol G.

O período da tarde iniciou com a conferência internacional do técnico da Seleção Norte-americana de futebol, mister Gregg Berhalter. O técnico apresentou o fenômeno social do futebol nos Estados Unidos, com suas paixões populares, craques, estratégias adotadas para popularizar o esporte na sociedade norte-americana. Os caminhos, metodologias e instrumentos adotados na preparação das equipes norte-americanas visando não apenas o desenvolvimento da modalidade, mas também a preparação dos EUA para a Copa do Mundo de 2026 que será disputada na América do Norte.

A última mesa reuniu o Dr. Guilherme Passos, fisiologista da Seleção Brasileira, o mestre Belmar Ramos Jr e o Dr. Julimar Luiz Pereira da UFPR para, sob a condução do mestre Vinícius Andrade discutir a Ciência e Fisiologia no Futebol. O Dr. Guilherme apresentou as práticas empregadas no acompanhamento e preparação da Seleção Brasileira principal com o desafio que é reunir os grandes craques brasileiros em condição de competições oficiais e amistosos.

O técnico campeão olímpico no Rio 2016 Rogério Micale fez a última palestra do congresso. O tema Prospecções para o Futebol Brasileiro ainda discutiu com base no desempenho observado no ano corrente as prospecções para 2020.

O evento finalizou com a roda de conversa sobre o Futebol de Ontem e o que o Futuro nos Reserva. Ela reuniu quatro grandes craques que desfilaram suas habilidades nos campos de futebol ao redor do mundo e que hoje trabalharam fora do gramado: o grande técnico Adilson Batista (Cruzeiro/MG), André Ranzani, Gustavo Caiché (Athlético/PR) e Milton do Ó (Ceará). Eles relembraram as vitoriosas passagens como atletas e fizeram uma analogia com o futebol jogado nos últimos 30 anos e o perfil de atleta e profissional que o futebol exige nos dias de hoje.

Ascom – Ministério da Cidadania