Notícias

Notícias

Estrangeiros recebem um panorama das ações esportivas federais em seminário de Políticas Públicas para a Cidadania e Cooperação Internacional

publicado: 18/09/2019 17h11, última modificação: 02/12/2019 18h47

O secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Décio Brasil, acompanhado dos secretários nacionais da pasta ligados ao esporte, participou nesta quarta-feira (18.09), em Brasília, de um painel no seminário Políticas Públicas para a Cidadania e Cooperação Internacional. O evento, iniciado na terça-feira (17.09) e que termina nesta quinta com visitas de campo a locais que abrigam programas apresentados nos painéis, reúne no Clube Ascade representantes de 24 nações: Eslovênia, Costa Rica, Gabão, Panamá, Polônia, Guatemala, El Salvador, Bélgica, Itália, Etiópia, Argentina, Espanha, Uruguai, Irlanda, Nicarágua, Portugal, Cuba, Zâmbia, Moçambique, Ucrânia, Honduras, Namíbia, Nova Zelândia e Vietnã.

 

O secretário Décio Brasil durante painel sobre a Lei de Incentivo ao Esporte (Foto: Francisco Medeiros/Ministério da Cidadania)

Após a palestra de Décio Brasil sobre a Lei de Incentivo ao Esporte (LIE), o secretário nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (SNELIS), Washington Cerqueira, apresentou o programa Segundo Tempo. Na sequência, o secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento (SNEAR), Emanuel Rego, falou sobre o Bolsa Atleta. Depois, o secretário nacional de Futebol e Defesa dos Direitos do Torcedor (SNFDT), Ronaldo Lima, detalhou o projeto Seleções do Futuro. O painel foi encerrado com uma palestra de Marcelo Leitão, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, que falou sobre a promoção da atividade física e o combate ao sedentarismo.

Gerente de Responsabilidade Social da Petrobras, Gislaine Garbelini estava particularmente interessada na Lei de Incentivo ao Esporte. “O evento todo está muito oportuno. Está tratando de vários segmentos na questão da cidadania. No painel do esporte, meu interesse maior era entender como funciona a Lei de Incentivo e como as empresas podem se aproximar da oportunidade de fazer seus investimentos em projetos sociais”, explicou. “O seminário também foi oportuno para conhecer programas que confesso que não conhecia. Foi bom ver o esforço que o país está fazendo para promover o esporte, não só no aspecto do alto rendimento, mas também como ferramenta de inclusão social”, elogiou Gislaine.

Representante do programa para desenvolvimento infantil do governo da Etiópia, Tabor Werdofe também destacou o alto nível dos painéis e ressaltou que seu país tem muito a aprender com os programas desenvolvidos no Brasil. “O importante aqui, e o motivo pelo qual o governo da Etiópia está tentando aprender, são os programas focados nas crianças e nos jovens. Estivemos aqui em maio deste ano com uma comitiva de nosso Ministério da Saúde para acompanhar os programas brasileiros voltados para a infância, como o Criança Feliz. Ficamos impressionados com o que o Brasil está fazendo para assegurar um futuro melhor para seus cidadãos”, pontuou o etíope.

“Logo depois de voltarmos para casa, começamos a trabalhar para estabelecer esses programas direcionados às crianças. Vim para este seminário representando a ministra da Saúde e vou retornar ao meu país com lições tiradas das apresentações. Estou animado para acompanhar as visitas de amanhã e ver na prática os programas funcionando”, prosseguiu.

Para o diretor-geral de Cooperação Internacional do Ministério da Saúde e Desenvolvimento Social da Argentina, Santiago Sueiro, o seminário contribui para que os dois países estreitem a cooperação no campo dos projetos voltados ao desenvolvimento social.

Foto: Francisco Medeiros/Ministério da Cidadania

Foto: Francisco Medeiros/Ministério da Cidadania

“Quero felicitar o Ministério da Cidadania pela organização do evento. É importante o Brasil compartilhar o trabalho que está realizando nos campos da inclusão social, do esporte e da cultura. Eles abrem as portas para seguirmos aprofundando as relações entre Argentina e Brasil. Pontualmente, as exposições sobre as políticas de esporte para inclusão social foram muito interessantes porque nosso país também está trabalhando com o esporte como ferramenta de inclusão de jovens. A partir desse diálogo que começamos aqui hoje, creio que podemos chegar a resultados positivos”, avaliou.

Para o secretário Décio Brasil, o governo brasileiro está pronto para compartilhar suas experiências com outras nações: “Nossa participação aqui está alinhada exatamente com o conceito do seminário. O público que estava presente era variado, não só de entidades nacionais, mas de representantes de países que conheceram nossas políticas públicas para as áreas do esporte e da cultura, por exemplo. Não só estaremos à disposição para maior integração como esperamos que eles possam levar esse conhecimento e que isso possa ajudar no conceito de cidadania plena da sociedade”.

Mediador dos painéis da Secretaria Especial do Esporte, o velejador e medalhista olímpico Lars Grael sugeriu que o evento seja feito regularmente. “Julgo que este seminário é muito importante porque dialoga com outros países com os quais o Brasil mantêm relações. Mostra as ações que implementamos, os desafios pela frente e colabora para a troca de experiências”, ponderou. “É importante para o Ministério da Cidadania mostrar o que tem sido feito e captar outras opiniões. É apenas o primeiro seminário. Tem tudo para ser um evento realizado ano a ano. Espero que a gente possa, no campo do esporte, cada vez mais atingir a comunidade esportiva em todos os segmentos: atletas, federações, confederações, Comitê Olímpico, Comitê Paralímpico e atletas não olímpicos, para que eles possam entender o todo que representa hoje o trabalho do ministério e da secretaria.”

Luiz Roberto Magalhães - Ministério da Cidadania