Notícias

Jogos Escolares

Ginastas russas inspiram Kauany Paes na conquista do Bicampeonato dos Jogos Escolares

publicado: 15/11/2018 00h00, última modificação: 15/01/2020 15h42
GR_AL_14_11_18_5075.jpg

Foto: Alexandre Loureiro/Exemplus/COB - Foto: Alexandre Loureiro/Exemplus/COB

A paranaense Kauany Zanettin Paes conquistou nesta quarta-feira (14.11) duas medalhas de ouro na ginástica rítmica dos Jogos Escolares da Juventude Natal 2018, no individual geral e por equipes. A jovem de 14 anos, estudante da Escola Sagrada Família, de Cascavel (PR), superou a sua companheira de seleção brasileira, a paulista Viviane Oda Miranda, da Escola Municipal Professora Maria Julia Antunes do Amaral Moreira, de Guaratinguetá (SP), que ficou com a prata. A capixaba Lavinya Azeredo de Oliveira, da Escola Municipal Adamastor Furtado, de Viana (ES), completou o pódio.

 

Ouro também em Curitiba 2017 tanto no individual geral quanto na competição por equipes, Kauany sagrou-se bicampeã dos Jogos Escolares da Juventude na categoria 12 a 14 anos nas duas disputas. Nesta quinta-feira, dia 15, no Colégio Salesianas, a partir das 15h30, ela busca aumentar a sua coleção nas finais por aparelho.

 

"Me inspiro nas atletas russas, que sempre estão conquistando títulos em todas as competições que disputam. Quando a gente está cansada, quase morrendo de tanto treinar elas continuam focadas, treinando. Por isso são as melhores", disse Kauany, logo após a competição.

 

Kauany representa o Brasil em competições internacionais desde os 9 anos de idade, no pré-infantil. Em 2013 conquistou seu primeiro título sul-americano, na Bolívia. Em 2014 e 2016, na Colômbia, voltou a subir no alto do pódio. "Tenho uma prateleira cheia de troféus e medalhas", disse Kauany.

 

A medalhista de prata Viviane Oda, a Vivi, segue o mesmo caminho. Apesar dos 13 anos, já é uma estrela na modalidade. As duas são pentacampeãs continentais por equipes e somam diversas medalhas por aparelhos e no individual geral tanto em sul-americanos quanto em campeonatos pan-americanos. Mas Vivi soma ainda títulos nos Estados Unidos e participação no Mundial Juvenil da Rússia, em Kazan, no ano que vem.

 

"Em 2015, em Los Angeles, disputei o LA Lights e conquistei três medalhas de ouro: na fita, arco e no individual geral. Sou ainda vice-campeã pan-americana", listou a pequena ginasta. A jovem já é uma estrela no esporte, tanto que, quando entrou em cena para realizar a sua série foi ovacionada pelo público.

 

A competição contou ainda com a participação de alguns dos principais nomes da ginástica rítmica nacional, como Daiane Camilo, técnica de Heloísa Bornal, favorita ao título no torneio para atletas de 15 a 17 anos, e Camila Ferezin, coordenadora de seleções da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), e que, além de buscar talentos para o esporte nacional atuou como árbitra. Mônica Queiroz, técnica olímpica e também árbitra nos Jogos Escolares.

 

A ginástica rítmica cresce a cada ano nos Jogos Escolares da Juventude. Em Natal 2018, Goiás estreou na maior competição escolar do país. O técnico Pedro Tomé e as ginastas Daiannny Brenda, de 14 anos, e Bianca Silva, de 13, entraram para os anais do esporte. Assim, a competição contou com 24 estados participantes, um recorde.

 

Os Jogos Escolares da Juventude são organizados e realizados pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), correalizados pelo Ministério do Esporte e Grupo Globo, com patrocínio da Coca-Cola e parceria do Governo do Estado do Rio Grande do Norte.

 

Fonte: Comitê Olímpico do Brasil (COB)