Notícias

Menino com altas habilidades de Itapipoca experimenta desafio de socialização no Brincando com Esporte

publicado: 26/01/2018 00h00, última modificação: 31/01/2020 18h26
26012018_isaac-700x466.jpg

Alan com os filhos Isaac (D) e José em Itapipoca (CE. Foto: Guilherme Rocha/ME

O cearense Isaac Alisson, de 12 anos, tem uma habilidade incrível de aprendizado e concentração. Com aptidões para música e artes, ele integra uma orquestra sinfônica e toca percussão na igreja, além de fazer aulas de programação de jogos no computador. "Gosto mesmo é de tocar bateria e meu estilo favorito é o heavy metal. As minhas bandas favoritas são Oficina G3 e Slipknot", diz. Porém, durante as aulas do Projeto Brincando com Esporte em Itapipoca, no interior do Ceará, ele tem encarado um grande desafio: conviver diretamente com outras crianças.

 

Quando Isaac tinha três anos ele foi diagnosticado com a síndrome de Asperger, com sintomas de autismo. As pessoas com síndrome de Asperger vêem, ouvem e sentem o mundo de forma diferente, e têm mais dificuldade de interação social. "Eu não chamo de doença, mas de um dom. É bom ele participar do Brincando com Esporte porque ele vai crescendo no meio social. O projeto vem para melhorar o convívio de todas as crianças. Não só no período de férias, mas no período escolar", disse Alan Arruda da Silva, 38 anos, pai do jovem.

 

O Brincando com Esporte vem trazendo oportunidades para centenas de crianças no interior do Ceará. Desenvolvido pelo Ministério do Esporte, o projeto oferece opções de esporte e lazer que preencham o tempo livre de crianças e adolescentes no período de férias escolares. Nas aulas, eles contam com atividades físicas em diferentes modalidades, além de ações com viés cultural e artístico, como dança e teatro. "Quando estou com outras crianças me sinto privilegiado. A brincadeira que mais gosto é a de jogar bola. Por isso acho esse projeto maravilhoso", disse Isaac.

 

Alan explica que seu filho não pode ficar muito tempo em ambiente fechado. Por isso, as atividades desenvolvidas no ginásio e ao ar livre estão sendo tão especiais. "Isaac vive no mundo que ele cria. A socialização é um desafio para ele. Ele tem os limites e temos que respeitar. Aqui os professores trabalham o psicológico do meu filho. Ele fica livre para brincar e não se prende tanto ao mundo dele", completou o pai.

 

Em Itapipoca, as atividades são desenvolvidas no Centro Esportivo Danuzão, no bairro do Cruzeiro. O espaço onde funciona a Secretaria de Cultura do município foi cedido pela prefeitura para trabalhar as atividades do Brincando com Esporte. São três turmas pela manhã e duas à tarde. A programação é realizada por meio de rodízio. Todos os alunos participam de todas as atividades.

 

"Começamos o projeto com as 100 vagas preenchidas. Porém, vários pais apareciam aqui querendo colocar os seus filhos. Chegamos a ter 120 crianças. Conheço crianças que não tem nem o que comer no almoço e participam de olho na comida, pedindo para repetir o lanche", revela Maria Valneide, coordenadora do núcleo.

 

As atividades do Brincando com Esporte no Ceará tiveram início em 15 de janeiro. A ação é realizada por meio da Secretaria de Esporte do Ceará (Sesporte) e promove atividades em 13 municípios, com núcleos em Acarape, Crateús, Eusébio, Iguatu, Ipu, Itapipoca, Itarema, Fortaleza, Juazeiro do Norte, Morada Nova, Quixeramobim, Sobral e Tauá.

 

A previsão é de que 1,3 mil jovens sejam atendidos no Ceará em janeiro de 2018. O Brincando com Esporte conta com mais de cem profissionais trabalhando no estado, entre coordenadores de polo, agentes recreativos e auxiliares recreativos.

 

"Além de melhorar a minha qualidade profissional, o projeto é enriquecedor ao me proporcionar uma experiência em conhecer a realidade dessas crianças e ver como elas se envolvem em outras atividades. Temos aqui também crianças órfãs que são do Lar Sagrada Família. São crianças que não têm uma vida fácil, mas que aqui estão tendo oportunidade de se entreter. Está sendo uma experiência única", disse a coordenadora.

 

 

De Itapipoca (CE), Breno Barros