Notícias

Infraestrutura

Secretaria investe na ampliação e modernização do Centro de Saltos Ornamentais na UnB

publicado: 24/01/2020 15h09, última modificação: 24/01/2020 15h54
Secretaria Especial do Esporte destinou o valor de R$ 1.696.044,72 na estrutura

A trajetória que levou o jovem Luis Felipe, 17 anos, de Brasília para megaeventos internacionais mostra que iniciativas que garantem o direito à cidadania, voltadas para o esporte, por meio de infraestrutura esportiva de qualidade, são fundamentais e geram resultados também no alto rendimento. O atleta é fruto das primeiras sementes plantadas no Centro de Excelência em Saltos Ornamentais da Universidade de Brasília (UnB).

 

O equipamento esportivo recebeu investimento de cerca de R$ 1,6 milhão. Foto: Francisco Medeiros/Ministério da Cidadania


Para ampliação e modernização do espaço, a Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania destinou, por meio de Termo de Execução Descentralizada para a Fundação Universidade de Brasília em dezembro de 2019, o valor de R$ 1,69 milhão. Ao todo, os investimentos federais na estrutura somam cerca de R$ 8,4 milhões, que foram utilizados para construção e manutenção do espaço.

 

"A gente tem a maior estrutura do país em Brasília. Nós contamos com cinto de segurança na água, temos vários trampolins para treinar, além do fosso de espuma para treinar fora da piscina"

Luis Felipe, atleta
 

Em Brasília, o centro abriga desde os treinamentos da Seleção Brasileira de Saltos Ornamentais até aulas para crianças a partir de oito anos. O espaço é considerado um dos melhores da América do Sul para aperfeiçoamento técnico e prática da modalidade.

Os primeiros saltos de Luis foram aos 10 anos, em projeto social desenvolvido no Centro Olímpico do Gama, no Distrito Federal. Em um ano de projeto, ele passou a treinar no Centro de Excelência da UnB. Luis treina no equipamento desde a inauguração, em março de 2014, quando tinha apenas 11 anos. Os investimentos federais ajudaram que ele saísse da pequena cidade na capital para saltos internacionais.

“É ótimo poder treinar lá. A gente tem a maior estrutura do país em Brasília. Contamos com cinto de segurança na água, temos vários trampolins para treinar, além do fosso de espuma para treinar fora da piscina”, disse o atleta. Em 2019, Luis Felipe, que recebe o apoio do programa Bolsa Atleta, foi o atleta mais jovem da delegação brasileira que disputou os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru.

 

Luis Felipe Moura no trampolim de 1 metro durante o Mundial dos Esportes Aquáticos 2019. Foto: Satiro Sodré/rededoesporte.gov.br



Os recursos do governo federal para o centro foram usados em compra de equipamentos, manutenção e contratação de profissionais para a equipe multidisciplinar. Em outra frente, os investimentos garantiram o funcionamento da estrutura e a manutenção do Núcleo Esportivo de Base.


Há mais de 15 anos que o país não conquistava o título sul-americano das categorias de base e em 2019 voltamos a vencer. Dos 11 atletas que disputaram o Sul-Americano Juvenil, nove treinam na instalação

Ricardo Moreira, técnico de saltos ornamentais
 


Para o técnico Ricardo Moreira, responsável pela estrutura, o espaço vem sendo estratégico para o desenvolvimento dos saltos ornamentais no Brasil nos últimos anos. “No fim de dezembro saiu mais uma parceria entre a UnB e a Secretaria Especial do Esporte. A ideia é modernizar e ampliar o trabalho feito desde 2014. De lá para cá o Centro de Excelência tem papel fundamental para o desenvolvimento dos saltos ornamentais no país. Há mais de 15 anos que o país não conquistava o título sul-americano das categorias de base e em 2019 voltamos a vencer. Dos 11 atletas que disputaram o Sul-Americano Juvenil, nove treinam na instalação. No Pan-Americano Júnior, os 10 atletas classificados treinam no centro. Os resultados mostram que o trabalho que está sendo feito é diferenciado e contribui para o desenvolvimento técnico da modalidade no país”, disse.

Investimento em infraestrutura no país


A Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania conta com 7.116 contratos de repasses ativos para execução de obras de infraestrutura esportiva. São 3.499 obras em execução e 12.983 obras concluídas. “A infraestrutura é o meio pelo qual as pessoas realizam atividades físicas, para condicionamento e para a saúde, e também para a prática esportiva de inclusão social, formação de atletas da base e para o alto rendimento. A infraestrutura é parte de um contexto para que o esporte aconteça, até porque a prática do esporte pode acontecer na rua, na praia ou na montanha, mas, quando tenho uma estrutura específica, ela garante qualificação para determinado esporte. Por isso que a estrutura esportiva tem que estar associada a um planejamento de uso e a um planejamento de manutenção. As duas interfaces são fundamentais”, afirmou Márcio Brasil, diretor de Infraestrutura de Esporte da Secretaria Especial de Esporte do Ministério da Cidadania.

Segundo o diretor, o ano de 2020 será voltado para a implantação da política nacional de infraestrutura de esporte. “Nós pretendemos disponibilizar no Portal de Serviços do governo federal o cadastro de propostas de obras de infraestrutura de esporte de forma a ser um portfólio do serviço digital. Temos também a pretensão forte de capacitar profissionais para a questão da área de infraestrutura. A nossa ideia é lançar o curso de planejamento e gestão de infraestrutura de esporte para auxiliar os municípios e os estados”, completou.

Breno Barros – Ascom – Ministério da Cidadania